Moloko

Crítica: Um Olhar do Paraíso

um olhar do paraíso

Susie Salmon (Saoirse Ronan[bb]) é uma menina estuprada e assassinada, aos 14 anos, em uma época que, segundo ela, isso ainda não era normal, não fazia parte do dia-a-dia da polícia, nem havia foto de crianças desaparecidas nos pacotes de leite.

Um Olhar do Paraíso (The Lovely Bones, EUA/Nova Zelândia/Reino Unido, 2009), de Peter Jackson[bb], retrata a vida de Susie antes e depois de morrer. Seu espírito fica preso em um “mundo intermediário”, uma espécie de limbo, onde a observação do mundo dos vivos é possível, até sentir que pode continuar adiante.

Quando vi o trailer, faz alguns meses, fiquei bem empolgado com o que poderia ser o filme, mas, apesar de algumas coisas muito boas, o saldo em geral foi mais negativo que positivo. A narrativa é muito adolescente, com um romancezinho exagerado, onde tudo é muito bonitinho e com vários, e desnecessários, flashbacks. O ponto forte são os efeitos especiais, retratando esse “mundo imaginário”, que também traz várias referências à elementos da história, que são belissimamente criados digitalmente, apesar da junção de certos elementos ter ficado extremamente brega.

Normalmente, os psicopatas em filmes, são caracterizados como personagens que incitam a curiosidade pelo seu jeito misterioso e obsessivo, assim também como certos personagens loucos. Aqui, George Harvey (Stanley Tucci[bb]), é totalmente vazio e, bem estereotipado visualmente e gestualmente. Havendo até a batida cena dele parado atrás de uma janela, observando sua próxima vítima. Para falar a verdade, não foi só ele, mas todos os personagens foram caracterizados de maneira muito fraca e superficial.

Um Olhar do Paraíso é extenso demais, cansando bastante, principalmente devido a muitas tomadas que parecem ser completamente desnecessárias, podendo apenas fazer parte dos extras do DVD, pois não acrescentam nada à história, parecendo às vezes até que são de outro filme.

Fico em dúvidas se o público alvo, adolescentes principalmente, irá mesmo gostar do filme, e entre o público mais velho, a opinião também não está sendo nada boa. Mas, apesar de tudo, Um Olhar do Paraíso vale ser visto, para quem tiver paciência, pelas estonteantes cenas produzidas digitalmente.

Confira também a crítica deste filme no blog Claque ou Claquete, por Joba Tridente.

Trailer:


Todas as informações e opiniões publicadas no interrogAção não representam necessariamente a opinião do portal, e são de total responsabilidade dos seus respectivos autores.
 
Este post foi publicado emCinema, Críticas e tags , , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.


Comentários

  1. avatar JJ disse:

    Sério que você achou isso?
    Acredito que eu faça parte deste público alvo adolescente e confesso que me surpreendi com o filme, que se mostrou completamente diferente aos estereótipos de sucesso atuais. Não tem vampiros. Não tem alienígenas. Apenas velhos conceitos reescritos de maneira fabulosa.
    O Limbo se apresenta um lugar tão seguro e ao mesmo tempo tão familiar de nossos sonhos mais confusos…

    A história tem sim, demasiados clichês, mais isso não a estraga em momento algum. Se são clichês, é porque são bons.

    Gostei do seu texto. Vou passar a frequentar o site. Parabéns.

Spirallab