Literatura: Geração Beat (Parte 2)

Quem foi Neal Cassady? Esse nome é estranho para muitas pessoas, inclusive para estudiosos de literatura. Talvez ele seja mais conhecido pelo pseudônimo que ganhou no livro On the Road: Dean Moriarty. Ele foi o companheiro de aventuras de Sal Paradise, ao longo da Rota 66. Paradise era ninguém menos que o próprio Kerouac. Juntos, eles cruzaram os EUA, chegaram ao México, experimentaram diversos sentimentos de amor e ódio e conheceram pessoas diferentes. Algumas passagens do livro apontam uma certa tensão sexual entre os dois, levando o leitor a crer que tiveram algum tipo de envolvimento dessa natureza. Depois, cada um seguiu seu rumo: Kerouac terminou seus dias na casa de sua mãe, sofrendo de cirrose; Cassady morreu de causas desconhecidas, mas especula-se que ele teve problemas nos rins.

Cassady escreveu apenas um livro chamado O Primeiro Terço, publicado pela editora LP&M aqui no Brasil, que deixou inacabado. Nele, conta a trajetória de seus familiares, desde seus avós, até chegar a certos acontecimentos de sua infância. Ele tinha muitos irmãos e seus pais se separaram quando ele ainda era muito novo. Apesar de seu pai ser alcoólatra, Cassady demonstra muito carinho por ele ao longo de sua escrita.

Ele não escreveu como Ginsberg e tão pouco como Burroughs, sua escrita em quase nada se assemelha com o estilo próprio dos beats. Ele não criou um clássico da literatura, mas foi muito sincero ao escrever suas recordações. Sua prosa se diferencia da de Kerouac, não é tão corrida, beirando o romance histórico. Ao fim do livro encontramos algumas cartas que ele trocou com Kerouac e, ali sim, sentimos a intensidade beat. Ele expressa seus sentimentos, seus delírios e sua ânsia de correr o mundo.

Ele pode não ter tido tanto destaque como escritor, mas sua figura ficou marcada para sempre. Um exemplo disso é que em certo episódio do seriado Lost, Ben (interpretado por Michael Emerson) se hospeda num hotel sob o nome de Dean Moriarty. Na literatura de Arthur Conan Doyle, há o Professor Moriarty, inimigo de Sherlock Holmes. Teria Kerouac se inspirado nesse personagem para criar seu Dean?

Se fosse necessário descrever a literatura de Cassady em apenas uma palavra seria: honesta. Deve ter havido certa pressão para ele escrever, visto que todos os seus companheiros produziam obras a todo instante, mas para o leitor é algo natural. Vemos o passado daquele que se tornou um ícone de liberdade, mudanças e inquietação. Infelizmente, poucos são os relatos que ele deixou.

Todas as informações e opiniões publicadas no interrogAção não representam necessariamente a opinião do portal, e são de total responsabilidade dos seus respectivos autores.
 
Este post foi publicado emLiteratura e tags , , , , , , , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.


Spirallab